Pular para o conteúdo principal

Paralisia Cerebral: Investir na criança é o melhor remédio

Também chamada ENCEFALOPATIA CRÔNICA NÃO EVOLUTIVA (ECNE), a paralisia cerebral (PC) foi descrita por William Little em 1860, como uma desordem que acometia crianças nos primeiros anos de vida, causando espasticidade (rigidez) dos músculos dos membros inferiores e em menor grau dos superiores. Estas crianças apresentavam dificuldade em segurar objetos, em engatinhar e em andar. Elas não melhoravam nem pioravam com o tempo. 

Esta condição que foi denominada como doença de Little por muitos anos, é agora conhecida como uma das formas de paralisia cerebral (PC), a diplegia espástica.

Grandes avanços foram obtidos em relação à PC nos últimos anos. Estudos bioquímicos tem levado a um melhor entendimento do processo de lesão neuronal. A identificação e início da terapia precoces de bebês com PC permite melhor oportunidade para o desenvolvimento de sua plena capacidade. A tecnologia moderna permitiu melhoria das técnicas diagnósticas, como os exames de imagem e análise da marcha. Certas condições responsáveis pela PC como a rubéola e a hiperbilirrubinemia (icterícia ou amarelão), podem ser prevenidas e tratadas. A associação de fisioterapia, terapia psicológica e comportamental, novas medicações, técnicas cirúrgicas modernas e aparatos fisioterápicos, podem ajudar a melhorar a vida destes pacientes, no sentido de levarem uma vida o mais independente e produtiva possível.

Paralisia cerebral é um termo amplo e impreciso, existindo ainda indefinições sobre os seu conceito, porém por há muito ter sido amplamente usado, este termo acabou por se firmar na prática e literatura médicas. Assim PC seria um grupo de desordens crônicas não progressivas, que acometem o controle do movimento e/ou postura. Esta ocorre em decorrência de uma lesão em uma ou mais áreas cerebrais específicas durante período de desenvolvimento cerebral, ou seja,no período intra-uterino até os primeiros anos de vida. A lesão cerebral seria persistente e não progressiva; porém, as características do déficit resultante da lesão cerebral geralmente mudam com o tempo.

Os sintomas da PC variam em um grande espectro de gravidade. Enquanto algumas crianças podem ser incapazes de andar e necessitam de cuidado extensivo e prolongado, uma criança com PC leve pode apenas ser levemente desajeitada e não requerer assistência especial. Outras alterações podem estar associadas como crises epilépticas e deficiência mental.

A paralisia cerebral é um grupo de desordens relacionadas mas que apresentam diferentes causas. Assim, para obtermos o diagnóstico etiológico, é necessário que o médico analise diversos fatores envolvidos como a apresentação clínica, os antecedentes maternos e da criança, e o início do quadro.

Dentre as causas de PC destacam-se a encefalopatia hipóxico isquêmica (falta de oxigênio no parto),prematuridade extrema, infecções congênitas como Rubéola, citomegalovírus e toxoplasmose, causando lesão ao sistema nervoso em desenvolvimento, doenças genéticas entre outras.

A PC não apresenta cura e embora o melhor tratamento seja a prevenção dos fatores de risco, muito pode se fazer para melhorar as capacidades da criança na tentativa de ajudar estes pacientes a crescerem até sua maturidade e terem o máximo de independência na sociedade. Pesquisas médicas atuais objetivam uma vida próxima ao normal à maioria dos pacientes. O médico deve trabalhar em grupo com os outros profissionais de saúde para identificar as necessidades de cada criança e criar um plano de tratamento individual que se adeque a ela.

Algumas medidas que podem ser inclusas neste plano terapêutico incluem medicações para o controle de convulsões e da espasticidade muscular, aparelhos ortopédicos para compensar o desbalanço muscular, cirurgias, controle fisioterápico, fonoaudiológico e ocupacional, além de aconselhamento psicológico. Em geral, o início do tratamento precoce melhora as possibilidades da criança de vencer suas incapacidades.

Assim, o diagnóstico precoce e o tratamento contínuo, instituído o mais cedo possível associado à aceitação da criança com paralisia cerebral como um indivíduo capaz e cheio de possibilidades proporciona a estes pacientes uma vida plena e produtiva tanto física quanto emocionalmente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Neurologia infantil e do adolescente

A Neuropediatria (também denominada Neurologia Pediátrica ou Neurologia Infantil) constitui uma sub-especialidade da pediatria dedicada às doenças ou disfunções do sistema nervoso e do sistema muscular que se manifestam na criança ou no adolescente.
O Neuropediatra tem como função essencial o diagnóstico, prognóstico, orientação terapêutica e aconselhamento dos problemas neurológicos que afetam a criança ou o adolescente, mas a sua atividade clínica exige frequentemente um contato estreito com outros especialistas não só da pediatria ou da neurologia mas ainda da genética, bioquímica, neuroradiologia, neurofisiologia, neuropatologia, neurocirurgia, psiquiatria infantil e reabilitação.

Area de atuação
Acompanhamento (neuro-puericultura) de bebês de risco (prematuros ou asfíxicos)
Alterações no Desenvolvimento Neuro-psico-motor (DNPM)
Epilepsia (convulsão)
Cefaléia (dor de cabeça)
Disfunções musculares
Transtornos no aprendizado (dislexias, discalculia)
Transtornos do neurodesenvolvi…

Diagnóstico e prognóstico

Sim,quanto nome difícil!!! Palavras que despejamos no dia a dia para nossos pacientes e seus familiares na expectativa de ajudá-los a lidar com o inesperado. Porque nenhum pai, mãe ou avós acha que seu filho ou neto terá uma doença. E se ela é neurológica então... pior ainda.

Diagnóstico é o nome da doença ou situação clínica que o indíviduo tem. Paralisia cerebral, autismo, síndrome de Down, epilepsia, enxaqueca são alguns exemplos de diagnóstico. Porém em alguns casos, como a epilepsia por exemplo, esse diagnóstico pode ter uma causa, uma etiologia, como a própria paralisia cerebral.

Em alguns pacientes essa busca não é fácil e nos desgastamos junto à família para dar um nome à situação, pois como nos fala poeticamente a Adriana Ueda do blog Síndrome de Angelman (vide meus blogs prediletos): “E mesmo que a medicação não mude, ou que as terapias e tratamento continuem sendo os mesmos, a impressão que temos ao ter um nome para o problema é que uma página foi virada e podemos começar um …

Acupuntura e epilepsia

Hoje trago o resumo do meu trabalho de conclusão de curso de acupuntura, utilizando esta técnica milenar em pacientes com epilepsia.

Na definição da Medicina Tradicional Chinesa (MTC), a saúde é um estado de harmonia entre as funções orgânicas internas e entre o ser humano e o meio ambiente onde vive. Na natureza, os fenômenos podem ser divididos, de uma forma simplista, em dualidades opostas, denominadas de yin-yang, que apresentam um estado de equilíbrio dinâmico.

No corpo humano o fluxo ininterrupto e suave das substâncias essenciais mantém as funções adequadas dos órgãos internos e, conseqüêntemente, asseguram as atividades nervosas e mentais, manifestando externamente um estado de saúde e bem estar.

A epilepsia do ponto de vista ocidental é uma condição que tem em comum a presença de crises epilépticas ou convulsivas recorrentes na ausëncia de condição tóxico-metabólica ou febril. A crise epiléptica é causada por descargas elétricas cerebrais anormais excessivas e transitórias da cé…