quinta-feira, 6 de abril de 2017

Esclarecendo a deficiência intelectual



A Deficiência intelectual (DI) é um transtorno do neurodesenvolvimento caracterizado por déficits em habilidades mentais gerais, como raciocínio, resolução de problemas, planejamento, pensamento abstrato, julgamento, aprendizado acadêmico, e aprender com experiência. Os déficits resultam em comprometimento funcional, tanto intelectual quanto adaptativo, nos domínios conceitual, social e prático. A adaptação ao ambiente é sempre afetada a atualmente parte dos critérios diagnósticos (DSM - 5, 2013).

As causas podem ser várias, tais como síndromes genéticas, como a Síndrome de Down, a síndrome de Angelman ou a síndrome do X frágil, problemas ao nascimento como falta de oxigênio, entre outras causas.

Para DI, a pontuação para os níveis de desenvolvimento intelectual deve ser determinada com base em todas as informações disponíveis, incluindo os sinais clínicos, o comportamento adaptativo no meio cultural, os resultados individuais e dos testes psicométricos. Para tanto esse diagnóstico deve sempre ser realizado pelo médico juntamente com o psicólogo - de preferência um neuropsicólogo. A testagem formal para quantificação dos aspectos cognitivos só pode ser realizada pelo psicólogo.

Sua presença tem enorme efeito social, não afetando apenas as pessoas que apresentam o diagnóstico, mas também a família e a sociedade como um todo. Sua prevalência é estimada em 1 a 3% nos países desenvolvidos e obviamente é maior em países mais pobres como o nosso.

Para o DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais 5º Ed.) o diagnóstico de Deficiência Intelectual é embasado em três importantes critérios: Critério A: QI- Quoeficiente de Inteligência abaixo de 70; Critério B: Limitações significativas no funcionamento adaptativo em pelo menos duas das seguintes áreas de habilidades: comunicação, autocuidados, vida doméstica, habilidades sociais/interpessoais, uso de recursos comunitários, autossuficiência, habilidades acadêmicas, trabalho, lazer, saúde e segurança; Critério C: Ocorrer antes dos 18 anos.

Cercada de muito preconceito - a nomenclatura antiga de Retardo Mental criou um grande estigma para o transtorno, a DI geralmente é vista como uma incapacidade para o futuro daquela criança, mas nós sempre insistimos que uma boa avaliação, um diagnóstico e uma intervenção precoces vão dar a essa criança a chance de desenvolver plenamente suas potencialidades, sendo um adulto adaptado e com o melhor rendimento possível dentro das suas possibilidades.
Um abraço
Dra Alessandra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dúvidas, sugestões, comentários? Me escreva!!!

Feliz Ano Novo

E chegou 2018!! Cheio de possibilidades e promessas. Eu, como sempre, fazendo meu balanço de final de ano, percebi o quanto estive ause...