Pular para o conteúdo principal

Esclarecendo a deficiência intelectual



A Deficiência intelectual (DI) é um transtorno do neurodesenvolvimento caracterizado por déficits em habilidades mentais gerais, como raciocínio, resolução de problemas, planejamento, pensamento abstrato, julgamento, aprendizado acadêmico, e aprender com experiência. Os déficits resultam em comprometimento funcional, tanto intelectual quanto adaptativo, nos domínios conceitual, social e prático. A adaptação ao ambiente é sempre afetada a atualmente parte dos critérios diagnósticos (DSM - 5, 2013).

As causas podem ser várias, tais como síndromes genéticas, como a Síndrome de Down, a síndrome de Angelman ou a síndrome do X frágil, problemas ao nascimento como falta de oxigênio, entre outras causas.

Para DI, a pontuação para os níveis de desenvolvimento intelectual deve ser determinada com base em todas as informações disponíveis, incluindo os sinais clínicos, o comportamento adaptativo no meio cultural, os resultados individuais e dos testes psicométricos. Para tanto esse diagnóstico deve sempre ser realizado pelo médico juntamente com o psicólogo - de preferência um neuropsicólogo. A testagem formal para quantificação dos aspectos cognitivos só pode ser realizada pelo psicólogo.

Sua presença tem enorme efeito social, não afetando apenas as pessoas que apresentam o diagnóstico, mas também a família e a sociedade como um todo. Sua prevalência é estimada em 1 a 3% nos países desenvolvidos e obviamente é maior em países mais pobres como o nosso.

Para o DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais 5º Ed.) o diagnóstico de Deficiência Intelectual é embasado em três importantes critérios: Critério A: QI- Quoeficiente de Inteligência abaixo de 70; Critério B: Limitações significativas no funcionamento adaptativo em pelo menos duas das seguintes áreas de habilidades: comunicação, autocuidados, vida doméstica, habilidades sociais/interpessoais, uso de recursos comunitários, autossuficiência, habilidades acadêmicas, trabalho, lazer, saúde e segurança; Critério C: Ocorrer antes dos 18 anos.

Cercada de muito preconceito - a nomenclatura antiga de Retardo Mental criou um grande estigma para o transtorno, a DI geralmente é vista como uma incapacidade para o futuro daquela criança, mas nós sempre insistimos que uma boa avaliação, um diagnóstico e uma intervenção precoces vão dar a essa criança a chance de desenvolver plenamente suas potencialidades, sendo um adulto adaptado e com o melhor rendimento possível dentro das suas possibilidades.
Um abraço
Dra Alessandra

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Neurologia infantil e do adolescente

A Neuropediatria (também denominada Neurologia Pediátrica ou Neurologia Infantil) constitui uma sub-especialidade da pediatria dedicada às doenças ou disfunções do sistema nervoso e do sistema muscular que se manifestam na criança ou no adolescente.
O Neuropediatra tem como função essencial o diagnóstico, prognóstico, orientação terapêutica e aconselhamento dos problemas neurológicos que afetam a criança ou o adolescente, mas a sua atividade clínica exige frequentemente um contato estreito com outros especialistas não só da pediatria ou da neurologia mas ainda da genética, bioquímica, neuroradiologia, neurofisiologia, neuropatologia, neurocirurgia, psiquiatria infantil e reabilitação.

Area de atuação
Acompanhamento (neuro-puericultura) de bebês de risco (prematuros ou asfíxicos)
Alterações no Desenvolvimento Neuro-psico-motor (DNPM)
Epilepsia (convulsão)
Cefaléia (dor de cabeça)
Disfunções musculares
Transtornos no aprendizado (dislexias, discalculia)
Transtornos do neurodesenvolvi…

Diagnóstico e prognóstico

Sim,quanto nome difícil!!! Palavras que despejamos no dia a dia para nossos pacientes e seus familiares na expectativa de ajudá-los a lidar com o inesperado. Porque nenhum pai, mãe ou avós acha que seu filho ou neto terá uma doença. E se ela é neurológica então... pior ainda.

Diagnóstico é o nome da doença ou situação clínica que o indíviduo tem. Paralisia cerebral, autismo, síndrome de Down, epilepsia, enxaqueca são alguns exemplos de diagnóstico. Porém em alguns casos, como a epilepsia por exemplo, esse diagnóstico pode ter uma causa, uma etiologia, como a própria paralisia cerebral.

Em alguns pacientes essa busca não é fácil e nos desgastamos junto à família para dar um nome à situação, pois como nos fala poeticamente a Adriana Ueda do blog Síndrome de Angelman (vide meus blogs prediletos): “E mesmo que a medicação não mude, ou que as terapias e tratamento continuem sendo os mesmos, a impressão que temos ao ter um nome para o problema é que uma página foi virada e podemos começar um …

Acupuntura e epilepsia

Hoje trago o resumo do meu trabalho de conclusão de curso de acupuntura, utilizando esta técnica milenar em pacientes com epilepsia.

Na definição da Medicina Tradicional Chinesa (MTC), a saúde é um estado de harmonia entre as funções orgânicas internas e entre o ser humano e o meio ambiente onde vive. Na natureza, os fenômenos podem ser divididos, de uma forma simplista, em dualidades opostas, denominadas de yin-yang, que apresentam um estado de equilíbrio dinâmico.

No corpo humano o fluxo ininterrupto e suave das substâncias essenciais mantém as funções adequadas dos órgãos internos e, conseqüêntemente, asseguram as atividades nervosas e mentais, manifestando externamente um estado de saúde e bem estar.

A epilepsia do ponto de vista ocidental é uma condição que tem em comum a presença de crises epilépticas ou convulsivas recorrentes na ausëncia de condição tóxico-metabólica ou febril. A crise epiléptica é causada por descargas elétricas cerebrais anormais excessivas e transitórias da cé…