Pular para o conteúdo principal

ESTIMULAÇÃO NA INFANCIA: A IMPORTÂNCIA DO ESTÍMULO PRECOCE PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL

Os primeiros anos de vida são fundamentais para o desenvolvimento pleno das potencialidades de todas as crianças. Especialmente no primeiro ano de vida, o cérebro passa por inúmeros processos de amadurecimento que repercutirão por toda a vida.
Sabe-se que o cérebro infantil, apresenta algumas peculiaridades em relação ao do adulto, dentre elas sua maior capacidade de regeneração e uma maior capacidade de adaptação. É como se o sistema nervoso infantil fosse uma pedra bruta que aceita qualquer tipo de lapidação. Quanto mais delicada for essa lapidação, melhor o desenvolvimento de suas capacidades. A esse processo de regeneração e desenvolvimento cerebral, dá-se o nome de plasticidade neuronal.
A plasticidade neuronal fundamenta e justifica a estimulação plena das crianças precocemente, visto que nessa idade a resposta é maior que nos outros períodos da vida.
O contato de um bebê com sua família é o primeiro passo a estimulação de seu desenvolvimento. Brinquedos adequados para a idade são muito importantes, mas nada substitui o contato físico da criança com seus pais.
Desde antes do nascimento o bebê reconhece a voz de sua mãe. Por isso, cantar canções de ninar e de acalento acalmam e dão sensação de segurança à criança.
O ato de amamentar, ou para aquelas mães que necessitaram recorrer ao aleitamento artificial, o ato de alimentar seu filho, olhando-o nos olhos, conversando em voz baixa com ele é uma excelente estímulo.
O acompanhamento médico especializado com o pediatra (puericultura) é outro fator fundamental para o cuidado com o bebê. O pediatra acompanhará o desenvolvimento físoco e neurológico da criança referindo-o ao sub-especialista quando necessário.
Crianças prematuras ou que apresentaram sofrimento ao nascimento merecem cuidados redobrados no seu acompanhamento, por vezes necessitando do seguimento neuropediátrico (neuropuericultura) e de outros profissionais da saúde como fisioterapeuta, terapeuta ocupacional (TO) e fonoaudiólogo.
É importante também que a família reconheça os tempos do desenvolvimento neurológico e que perceba que não há rigidez nos marcos. Por exemplo, bebês sentam por volta de 6 meses, porém até 8-9 meses na ausência de outros transtornos neurológicos, é ainda considerado dentro da faixa da normalidade.
Acho que a estimulação precoce é a melhor forma de medicina preventiva em neurologia. Dar a criança a oportunidade de desenvolvimento pleno de suas capacidades é fundamental para um crescimento saudável.
No centro de reabilitação que trabalho em Cotia, temos o Grupo de Intervenção Precoce, que trabalha com bebês ditos de risco (prematuros com peso ao nascimento menor que 1.500g, asfíxicos e bebês com meningite ou convulsão neonatal), onde acompanhamos o desenvolvimento destes atendidos em equipe multiprofissional (Neuro, fisio, fono, TO e psicologia) e iniciamos abordagem terapêutica caso seja observado qualquer atraso.
Na próxima semana, falaremos sobre os marcos do desenvolvimento neurológico e o trabalho de estimulação precoce desenvolvido na APAE – Cotia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Neurologia infantil e do adolescente

A Neuropediatria (também denominada Neurologia Pediátrica ou Neurologia Infantil) constitui uma sub-especialidade da pediatria dedicada às doenças ou disfunções do sistema nervoso e do sistema muscular que se manifestam na criança ou no adolescente.
O Neuropediatra tem como função essencial o diagnóstico, prognóstico, orientação terapêutica e aconselhamento dos problemas neurológicos que afetam a criança ou o adolescente, mas a sua atividade clínica exige frequentemente um contato estreito com outros especialistas não só da pediatria ou da neurologia mas ainda da genética, bioquímica, neuroradiologia, neurofisiologia, neuropatologia, neurocirurgia, psiquiatria infantil e reabilitação.

Area de atuação
Acompanhamento (neuro-puericultura) de bebês de risco (prematuros ou asfíxicos)
Alterações no Desenvolvimento Neuro-psico-motor (DNPM)
Epilepsia (convulsão)
Cefaléia (dor de cabeça)
Disfunções musculares
Transtornos no aprendizado (dislexias, discalculia)
Transtornos do neurodesenvolvi…

Diagnóstico e prognóstico

Sim,quanto nome difícil!!! Palavras que despejamos no dia a dia para nossos pacientes e seus familiares na expectativa de ajudá-los a lidar com o inesperado. Porque nenhum pai, mãe ou avós acha que seu filho ou neto terá uma doença. E se ela é neurológica então... pior ainda.

Diagnóstico é o nome da doença ou situação clínica que o indíviduo tem. Paralisia cerebral, autismo, síndrome de Down, epilepsia, enxaqueca são alguns exemplos de diagnóstico. Porém em alguns casos, como a epilepsia por exemplo, esse diagnóstico pode ter uma causa, uma etiologia, como a própria paralisia cerebral.

Em alguns pacientes essa busca não é fácil e nos desgastamos junto à família para dar um nome à situação, pois como nos fala poeticamente a Adriana Ueda do blog Síndrome de Angelman (vide meus blogs prediletos): “E mesmo que a medicação não mude, ou que as terapias e tratamento continuem sendo os mesmos, a impressão que temos ao ter um nome para o problema é que uma página foi virada e podemos começar um …

Acupuntura e epilepsia

Hoje trago o resumo do meu trabalho de conclusão de curso de acupuntura, utilizando esta técnica milenar em pacientes com epilepsia.

Na definição da Medicina Tradicional Chinesa (MTC), a saúde é um estado de harmonia entre as funções orgânicas internas e entre o ser humano e o meio ambiente onde vive. Na natureza, os fenômenos podem ser divididos, de uma forma simplista, em dualidades opostas, denominadas de yin-yang, que apresentam um estado de equilíbrio dinâmico.

No corpo humano o fluxo ininterrupto e suave das substâncias essenciais mantém as funções adequadas dos órgãos internos e, conseqüêntemente, asseguram as atividades nervosas e mentais, manifestando externamente um estado de saúde e bem estar.

A epilepsia do ponto de vista ocidental é uma condição que tem em comum a presença de crises epilépticas ou convulsivas recorrentes na ausëncia de condição tóxico-metabólica ou febril. A crise epiléptica é causada por descargas elétricas cerebrais anormais excessivas e transitórias da cé…